Perda do pai fez Adriano Imperador se prender às raízes: “Não paro de pensar”

Atleta ressaltou importância de amigos de infância no pior momento de sua vida

publicidade

A série documental Adriano, Imperador foi feita com objetivo de apresentar o verdadeiro Adriano para o mundo, incluindo acontecimentos importantes da trajetória do atleta, dentre eles um que influenciou fortemente seus destino, a perda do pai, Almir, a qual ele revelou que se recuperou com a ajuda dos amigos.

Criado na Vila Cruzeiro, no Rio de Janeiro, Adriano cresceu jogando futebol com os amigos no time em que o pai era o juiz, a proximidade do jogador tanto com a família quanto com os amigos que cresceram com ele, sempre foi muito grande.

Mesmo quando ficou conhecido mundialmente como jogador de futebol, e foi contratado pelo Inter de Milão, Adriano nunca deixou suas raízes, mantendo um relacionamento próximo com a família e seus amigos de infância.

Adriano e seu amigos em cena de Adriano, Imperador (Divulgação)
publicidade

E foram essas pessoas que foram seu maior suporte no momento mais difícil de sua vida, quando ele perdeu o pai, conforme ele contou na recente coletiva de imprensa de seu documentário, quando relembrava um importante momento de sua vida profissional.

“A Copa América para mim foi muito importante, porque eu saí muito cedo do Brasil, sai com 19 anos, e eu não tive muita oportunidade de mostrar realmente o meu futebol para os brasileiros, então, a Copa América para mim abriu as portas, para realmente as pessoas verem quem era o Adriano”.

“Infelizmente logo após, tive a perda do meu pai, uma coisa para mim que foi muito triste, é ainda até hoje um pouco, porque a gente, quando se apega muito a uma pessoa, a gente não consegue esquecer”.

“Hoje estou mais tranquilo sobre isso, mas às vezes não paro de pensar. E o suporte dos meus amigos foi muito importante porque, quando eu mais precisei eles estavam sempre perto de mim”, ele afirmou.

Bastidores da filmagem de Adriano, Imperador (Divulgação)

Ele prosseguiu ressaltando que o fato de seus amigos terem crescido na Vila Cruzeiro com ele, conhecendo seu pai, que era visto como um segundo pai para eles, facilitou o processo, pois eles também sentiram a perda.

publicidade

“Até porque também eles eram muito apegados ao meu pai. Meu pai sempre teve esse afeto, com todas as crianças lá da Vila Cruzeiro. Então, se você perguntar hoje quem é meu pai na Vila Cruzeiro, todas as mães iriam falar (sobre ele), porque elas pediam para o meu pai tentar tirar (os filhos delas) da vida errada”.

“O pessoal realmente tinha um carinho muito grande por ele. Meio que a gente conseguiu suportar isso, praticamente juntos, e é por isso que eu sou muito grato a tudo aquilo que eles fizeram”, ele salientou.

Adriano, Imperador já está disponível na Paramount+.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›