Pacto Brutal: Diretores explicam decisão de não embaçar fotos do corpo de Daniella Perez

A mãe da vítima fez questão de que o público visse com os próprios olhos o que os assassinos fizeram com Daniela

publicidade

Um dos lançamentos da HBO Max mais comentados dos últimos tempos, a série documental Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez deixou seus telespectadores chocados ao exibir as fotos do corpo morto da atriz, sem embaçar marcas do crime, decisão explicada por seus diretores.

Durante uma recente entrevista ao Band.com.br, Tatiana Issa e Guto Barra falaram um pouco sobre o trabalho na série, e contaram que quando ficaram em dúvida sobre mostrar as imagens chocantes do corpo, resolveram atender ao pedido da mãe da vítima, a escritora Gloria Perez.

“Em um primeiro momento nos perguntamos se deveríamos mostrar as fotos do crime, que são tão chocantes. Mas a Gloria sempre achou importante mostrá-las justamente para que as pessoas pudessem ver e relembrar a brutalidade bárbara e cruel que foi esse crime e o que fizeram com a filha dela”, esclareceu Tatiana.

publicidade
Pacto Brutal (Divulgação/ HBO Max)

Ela também ressaltou que apesar de ter focado bastante nos depoimentos de Gloria, o viúvo da vítima Raul Gazolla e amigos próximos, eles fizeram questão de mostrar tudo que constava no caso contra os assassinos Guilherme de Pádua e Paula Thomaz.

“As pesquisas foram feitas com muito cuidado, muito estudo, baseadas sempre nos autos do processo. Nos debruçamos em todos os documentos, laudos, em toda a cobertura feita na época e nos arquivos pessoais da Gloria”, ela salientou.

Tatiana também destacou que entendeu que era importante mostrar as imagens da brutalidade feita com Daniella Perez, para enterrar a possibilidade da vítima ter tido, ou tentado ter um caso com seu assassino como ele afirmou na época do crime

publicidade

“É imprescindível que a série consiga esclarecer de uma vez por todas que isso [o romance entre vítima e assassino] nunca aconteceu”.

“Essa narrativa faz parte de um viés sempre machista, de tentar culpabilizar a vítima, transformar os fatos a favor dos criminosos, perpetuar inverdades, muitas vezes convenientes para vender revistas e jornais. Isso precisa acabar”.

“A série se baseia nos autos do processo, nos julgamentos de ambos e na verdade do crime”, ela garantiu.

Daniela Perez e Glória Perez (Reprodução/Twitter)
publicidade

A afirmação da diretora se refere ao fato de todas as revistas e jornais que falavam do crime quando tudo aconteceu, usar fotos de Daniella e Guilherme em cenas da novela da Globo, De Corpo de Alma, na qual eles davam vida ao casal Yasmin e Bira.

“O que sempre chocou a Gloria e a família era o uso constante das fotos da novela com os personagens Bira e Yasmim, dando margem para versões mentirosas e machistas que foram perpetuados durante tantos anos”, ela acrescentou.

O caso

No auge de sua carreira de atriz aos 22 anos de idade, casada com o amor de sua vida, Daniella Perez foi brutalmente assassinada pelo colega de cena Guilherme de Pádua e a esposa dele, grávida de quatro meses no momento do crime, Paula Thomaz, em 28 de dezembro de 1992.

O crime chocou o país, que parou para acompanhar o apuramento do caso e se revoltou contra os assassinos da jovem atriz que tinha conquistado os brasileiros ao dar vida a Yasmin em De Corpo de Alma.

publicidade

Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez está disponível na HBO Max.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›