Pose | Co-criador explica decisão de focar em [SPOILER] no fim da série

Indya Moore em Pose (Divulgação)
Indya Moore em Pose (Divulgação)

O último domingo foi um momento um pouco triste para os fãs de Pose, com a transmissão de seu último episódio, que deixou o público se perguntando o porquê de o fim ter se centrado apenas em dois personagens em especial.

A PARTIR DAQUI SPOILERS DO ÚLTIMO EPISÓDIO.

O programa acabou mostrando principalmente a árdua luta de Blanca e Pray Tell para participarem de um teste de um coquetel experimental de drogas para a AIDS, que os fez melhorar notavelmente inicialmente. Porém por fim Pray Tell acabou falecendo.

O co-criador e diretor do último episódio da série, Steven Canals explicou em uma entrevista ao site TVLine, porque o fim focou apenas em Blanca e Pray Tell, apesar da série ter diversos personagens importantes.

“Parte disso é que já passamos um tempo com Elektra e com Angel e Papi, e como eles tiveram seus finais, sentimos que contamos sua história. Mas a outra razão realmente importante é que, desde o início, esse show secretamente sempre foi realmente uma história de amor entre Blanca e Pray Tell. Tendemos a pensar sobre o amor romântico quando [dizemos isso], mas a realidade é que a série realmente foi uma história de amor entre esses dois personagens. Minha referência para o relacionamento deles sempre foi Beaches, que é um dos meus filmes favoritos. Estou obcecado por Barbara Hershey e Bette Midler, então acho que essa foi outra parte, apenas honrar seu relacionamento e sua história de amor”, ele esclareceu.

Blanca (MJ Rodriguez) e Pray Tell (Billy Porter) em cena do trailer da 3ª temporada de Pose (Reprodução)

Indagado se ele quis finalizar dando momentos felizes aos personagens devido uma fala de Blanca que dizia que eles não tinham finais felizes, mais sim momentos, ele confirmou.

“Sim, acho que o cerne do show sempre foi esse delicado equilíbrio entre a luz e a escuridão, entre o duro e o suave. A verdade é que essa linha específica de Blanca está profundamente enraizada na verdade do que normalmente vemos no cinema e na televisão para pessoas historicamente marginalizadas. Especialmente no caso de pessoas queer ou trans, nunca chegamos a nos inclinar totalmente para nossas alegrias. Nossas histórias estão sempre enraizadas em nossos traumas”, ele salientou.

Canals encerrou destacando que a ideia era mostrar que as pessoas queer ou trans também são felizes, sem deixar de serem realistas.

“No caso de Pose, queríamos mudar a lente e mostrar que também somos felizes, que nem sempre sobrevivemos, que também podemos prosperar. Mas, novamente, um show que está enraizado na verdade, na autenticidade … somos tudo. Somos pessoas multifacetadas. Somos uma infinidade de momentos e experiências, momentos de alegria e momentos de tristeza, e por isso o show sempre foi sobre homenagear tudo isso, ao invés de sempre mostrar apenas um lado”, ele concluiu.

Gaúcha, formada em Jornalismo e Pedagogia, crocheteira,”mãe” da dog Katy, apaixonada por filmes e séries de gêneros variados e por escrever. Sou redatora especialista em cultura pop, cinema, streaming e TV.

Veja mais ›