Roteirista de Cidade Invisível discute construção de segunda temporada

Mudança de cenário de Rio de Janeiro para Belém faz sentido com a nova direção do roteiro.

publicidade

A nova localidade da segunda temporada de Cidade Invisível vai ser uma mudança essencial para a trama, disse o roteirista.

Marcos Ferraz deu uma entrevista para o Papel Pop e contou mais sobre o processo criativo dos novos episódios, e embora não possa dar muitos spoilers, ele conta um pouquinho mais para atiçar a curiosidade dos fãs ansiosos.

publicidade

“Essa mudança é fundamental. Parte da história se passa lá, com as entidades da região, além das remanescentes da primeira temporada”, revelou.

Marcos também detalhou como é feita a leitura de mesa, depois que os roteiros foram escritos. Os atores sentam juntos e ajustam os diálogos de acordo com as intenções dos episódios, e para deixar o mais real possível:

“Roteiristas, atores, diretores, todo mundo senta, pega o roteiro e lê. Aí a gente vai percebendo e arrumando o diálogo ou as intenções dos personagens, o que é ou de que jeito é melhor falar. A gente faz esse trabalho para poder deixar tudo mais verossímil, mais próximo possível do que é a realidade.”

Cidade Invisível (Divulgação/Netflix)
Cidade Invisível (Divulgação/Netflix)

Roteiros passam por várias mãos até ser concluído

publicidade

O roteirista também admitiu que o processo para a criação dos roteiros não é algo fácil, não. Todo o caminho que os capítulos da série fazem passam por tantas mãos como uma linha de produção industrial, contou:

“Os roteiristas escrevem primeiro em casa, leem o roteiro do outro, mexem, depois passam para a direção; a direção dá suas opiniões, depois passa para a produção, aí vai para o canal ou streaming; a executiva de lá também passa as impressões dela, se a audiência vai gostar mais assim ou assado; e depois vem a leitura com os atores. Depois da leitura dos atores, fecha o roteiro. Aí a gente fala: ‘É isso que vai gravar’.”

publicidade

Os roteiros levam de seis a oito meses para ficarem prontos, segundo Marcos, depois disso, ainda há um longo e trabalhoso percurso até que os episódios cheguem prontinhos nas telas de todo mundo:

“Para gravar, é mais meio ano ou quatro meses… depende. Aí vem finalização, edição. Essa temporada, assim como a primeira, tem efeitos especiais, que precisam ficar legais e não toscos. Então é difícil. É trabalhoso.”

Ainda não há informações oficiais sobre o lançamento da segunda temporada de Cidade Invisível. A primeira temporada completa está disponível na Netflix.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›