Crítica | Jurassic World: Domínio é um encerramento satisfatório para a franquia

O filme oferece boas doses de nostalgia, ação e ficção cientifica.

publicidade

ATENÇÃO! O TEXTO CONTÉM SPOILERS!

Jurassic World: Domínio chegou aos cinemas e é um final não apenas para a trilogia iniciada em 2015 com Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros como também para a trilogia que começou com Jurassic Park.

publicidade

Domínio é uma narrativa consistente e emocionante, e está focada em finalizar os arcos de seus principais personagens tanto humanos quanto dinossauros. Além de continuar trazendo reflexões sobre o poder da ciência sobre o mundo tanto de forma positiva quanto negativa.

O início do filme é bem dinâmico, situando o público sobre como os personagens estão, bem como a situação mundial com dinossauros a solta pelo mundo, em meio a isso tudo há um boa cena de ação protagonizada por Claire Dearing, que está mais ativa do que nunca em garantir o bem estar dos répteis gigantes.

Desde o começo da franquia a grande empresa por trás dos dinossauros foi a InGen, contudo, desta vez os olhos se voltaram para Biosyn, que é comandada por Lewis Dodgson, o homem que planejou o roubo de embriões de dinossauros em Jurassic Park.

Blue e Beta em Jurassic World: Domínio (Reprodução / Universal)
Blue e Beta em Jurassic World: Domínio (Reprodução / Universal)
publicidade

A Biosyn continua fazendo seus testes genéticos em animais, o que vem trazendo um desequilíbrio ecológico no mundo. É aí que o foco do filme deixar de ser os dinossauros, e passa a ser os grandes gafanhotos da Biosyn que vem devastando plantações pelos Estados Unidos.

Enquanto outros filmes da franquia tem os dinossauros como foco, onde tentam montar um parque ou controlá-los de alguma forma, o que acaba dando tudo errado. Este filme é mais sobre um guerra científica, fazendo com que Domínio se aproxime mais de Jurassic Park e dos livros de Michael Crichton.

publicidade

É então que entram em cena Ellie Sattler e Alan Grant, que se unem para mostrar ao mundo que a Byosin não é uma aliada e sim uma inimiga. O reencontro dos dois realmente mexe com a nostalgia, principalmente pelo fato deles ainda terem sentimentos fortes um pelo outro, e isso é mostrado ao longo do filme.

Mas o filme se divide em duas histórias se passando ao mesmo tempo. Por outro lado, há Owen Grady e Claire que estão criando Maisie Lockwood em um lugar isolado. Neste local, o público também pode ver Blue e é apresentado para sua filha Beta.

Maisie e Beta tem o que a Byosin precisa para fazer a maior revolução biológica e também controlar a nuvem de gafanhotos. O sequestro das duas leva Owen e Claire para fora de seu esconderijo e para o mundo do contrabando de dinossauros.

publicidade
Owen (Chris Pratt) e Parasaurolophus em Jurassic World: Domínio (Divulgação/ Universal Pictures)
Owen (Chris Pratt) e Parasaurolophus em Jurassic World: Domínio (Divulgação/ Universal Pictures)

Um dos pontos altos do filme é mostrar esse contrabando de dinossauros, algo que ficou bastante convincente, pois mostraram algo idêntico ao comércio ilegal de animais do mundo real.

A sequência mostra dinossauros sendo usados como alimento, bichos de estimação, partes deles usados com afrodisíacos, lembrancinhas, e dinos mais agressivos, principalmente jovens, são colocados em rinhas, há também dinos treinados para caçar.

publicidade

É logo depois disso que acontece a maior sequência de ação do filme, com Owen, Claire e a nova personagem Kayla, perseguidos por grupo de Atrociraptors criados especificamente para matar (uma clara referência ao Indoraptor)

Isso também é o que o filme peca, os dinossauros são apenas o pano de fundo para a trama maior, como citado no início deste texto, eles estão no filme pelo fanservice e nostalgia.

Claire (Bryce Dallas Howard) e Therizinosaurus em Jurassic World: Domínio (Reprodução / Universal)
Claire (Bryce Dallas Howard) e Therizinosaurus em Jurassic World: Domínio (Reprodução / Universal)
publicidade

A cena do Pyroraptor, por exemplo, parece que foi feita apenas para dizer “oi gente, sabemos que dinos tem penas”. Contudo, foi bem interessante ver os dinossauros em ação em diversos habitats como campo, cidade, floresta e caverna, e a maioria dessas cenas foram cheias de tensão.

Em determinado momento os dois núcleos do filme se encontram. Quando Owen, Claire, Ellie, Alan e Ian finalmente se reúnem foi um momento particularmente emocionante, e a química entre eles foi muito boa. Foi divertido ver Ian questionando constantemente Owen por ser “amigos dos dinossauros”.

A partir daí a reta final filme começa, e as resoluções de tudo começam a ficar um tanto rápidas demais. A batalha final de Rexy contra o Giganotossauro poderia ter sido mais emocionante, mas ainda sim foi incrível vê-la em ação e conseguindo sua revanche 65 milhões de anos depois.

publicidade

Os animatronicos e efeitos especiais de Domínio foram sensacionais, dando vida de forma bem convincente aos dinossauros, e possibilitando até muito mais interações entre os atores e os animais do que os filmes anteriores.

Kayla Watts (DeWanda Wise) e Ellie Sattler (Laura Dern) em Jurassic World: Domínio (Divulgação / Universal)
Kayla Watts (DeWanda Wise), Ellie Sattler (Laura Dern) e Giganotosaurus em Jurassic World: Domínio (Divulgação / Universal)

A verdadeira história de Maisie foi comovente, como também trás muita reflexão sobre o poder genético.

publicidade

A forma como a Byosin está controlando os dinossauros em sua reserva natural é explicada, contudo, quem assistiu a série animada Jurassic World: Acampamento Jurássico conseguirá ter uma ideia melhor sobre isso, e de outras coisas sobre a Byosin.

Há toneladas de referências a Jurassic Park, inclusive algumas nem tão escondidas, como a lata de Barbasol e a morte de Dodgson, e claro, Malcolm com a camisa desabotoada.

Há também muitas participações especiais que ajudaram os protagonistas ao longo do filme como Barry, Franklin Webb e Zia Rodriguez.

Bryce Dallas Howard, Jeff Goldblum, Laura Dern, Sam Neill e DeWanda Wise em Jurassic World: Domínio (Divulgação / Universal)
Bryce Dallas Howard, Jeff Goldblum, Laura Dern, Sam Neill e DeWanda Wise em Jurassic World: Domínio (Divulgação / Universal)
publicidade

O fim filme não deixa nada em aberto para uma sequência. Dodgson e sua sede por poder chegam ao fim. Ellie, Alan e Ian tem as provas que precisam para acabar com o reinado da Byosin.

Owen, Claire e Maisie voltam a ser uma família, assim como Beta volta para Blue. Já Dr. Henry Wu consegue sua redenção, e passa a usar seu conhecimento para um bem maior e acabar com a nuvem de gafanhoto.

Quanto aos dinossauros, muitos deles continuam a solta pelo mundo, e aos poucos estão aprendendo a conviver com outros animais, como Ian Malcolm disse “a natureza sempre encontra um meio”. E Rexy encontrou paz e uma família.

Jurassic World: Domínio tem direção de Colin Trevorrow. O elenco inclui Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Sam Neill, Laura Dern, Jeff Goldblum, DeWanda Wise e Isabella Sermon.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›