Executivos de Hollywood temem que filmes sofram novos adiamentos

Hollywood
Hollywood

Apesar do processo de vacinação contra o COVID-19 ter começado em diversas partes do mundo, demorará algum tempo até que tudo volte volte ao normal.

De acordo com o site The Hollywood Reporter, os executivos de Hollywood responsáveis ​​pelo calendário de lançamentos podem enfrentar outra grande migração em 2021 das estreias de filmes, à medida que a crise do COVID-19 continua.

Toda a agenda de lançamentos do final de 2019 e de todo o ano de 2020 foi mudada para 2021. Dentre os lançamentos mais aguardados para este ano estão 007 – Sem Tempo para Morrer, Top Gun: Maverick, Viúva Negra e Um Lugar Silencioso Parte II.

Um executivo da MGM falou sobre a possibilidade de mudança da data de estreia de Top Gun: Maverick:

“Acho que tudo o que é substantivo entre agora e Top Gun: Maverick no início de julho mudará. É uma bagunça”.

Durante a pandemia, a Universal começou a lançar seus filmes em VOD, mas especialistas dizem que os cinemas precisam ser abertos ao redor do mundo para filmes como Velozes e Furiosos 9 e Minions.

Enquanto isso a Warner Bros. decidiu fazer lançamentos híbridos, onde no mesmo dia que seus grandes sucessos chegaram nos cinema, também estarão disponíveis no HBO Max.

Paul Dergarabedian da Comscore comentou:

“Para que ninguém pensasse que a transição de 2020 para 2021 resolveria magicamente os problemas que deixaram perplexa a indústria nos últimos 12 meses, a realidade é que muitas das mesmas forças de mercado ainda estão em jogo e continuarão a informar os estrategistas decisões de estúdios e criativos da mesma forma. Dito isso, há esperança de uma recuperação para os negócios do cinema no horizonte, mas é claro que o futuro está em constante fluxo”.

Eric Handler, da MKM Partners, acrescentou:

“Do jeito que estou pensando sobre o ano, o primeiro trimestre terá uma queda de até 90%”.

Handler acredita que o segundo trimestre de 2020 trará algumas melhorias, mas a receita ainda será de 30 a 40 por cento do normal se comparada a uma média de três anos (2016-19). Ele observou:

“Depende da rapidez com que atingimos o pico das infecções. Se eles puderem imunizar um milhão de pessoas por dia, as coisas começarão a acelerar.”

Formado em administração e psicologia. Fez curso de desenho com especialização em cartoons. Adora videogame, animações e filmes e séries de super heróis e monstros.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›