Diretora de Matrix 4 explica a ausência de irmã na sequência

A diretora Lana Wachowski (Foto: Divulgação)

Lana Wachowski, diretora do novo filme da franquia Matrix, Matrix Resurrections, confirmou recentemente para o site ScreenRant o motivo que levou sua irmã, Lilly Wachowski, a não retornar para dirigir a sequência com ela.

Para todos que estão acostumados com os trabalhos das duas, as irmãs Wachowski sempre trabalharam juntas desde o início de suas carreiras.

Sua estreia como time de diretoras foi no filme de suspense de 1996, Ligadas Pelo Desejo, estrelado por Jennifer Tilly (A Noiva de Chucky), Gina Gershon (Showgirls) e Joe Pantoliano (Cypher em Matrix).

A notoriedade das duas diretoras só foi chegar mesmo com as emoções fortes da trilogia de ficção científica Matrix, Matrix Reloaded e Matrix Revolutions, cujo primeiro filme debutou em 2003.

Desde então, Lana e Lilly sempre dirigiram seus projetos em conjunto, somente se separando para produzir episódios individuais para séries: em Sense8, co-dirigido por ambas para a Netflix.

Lana foi responsável sozinha pela direção de 14 episódios; Lilly também dirigiu sozinha um episódio da série de comédia da Showtime, Work in Progress.

Luto da perda dos pais influencia na decisão das diretoras

Wachowski falou sobre o assunto em um painel entitulado The Art of Scriptwriting, no Festival Internacional de Literatura de Berlim. No painel, a diretora explicou como ela pode dirigir Matrix Ressurections sem sua irmã, o primeiro longa-metragem que não terá as duas no comando.

Lilly Wachowski (Youtube/Reprodução)
Lilly Wachowski (Youtube/Reprodução)

O que causou a situação atípica foi a perda de seus pais e de um grande amigo próximo, o que a levou a passar por um longo período de luto.

Ela também divide que trazer estas personagens a ajudou a superar esta fase, pois tanto Neo quanto Trinity significam muito para ela.

Ela sentiu que poderia canalizar seus sentimentos para sua arte, mas que sua irmã Lana preferiu processar seu luto de maneira diferente, então ela decidiu não se juntar para assumir o projeto:

“Então eu perguntei para a Lilly se ela queria fazer isto, e ela quis processar o luto dela de forma diferente. E ela estava na escola de artes e ela estava em um caminho diferente e ela não queria seguir este caminho para processar seu luto. Mas, você sabe que a história [do filme ]evoluiu e eu contei para minha esposa a história e ela disse: ‘Oh meu deus você tem que fazer isso’, então eu estava tipo, ‘Ugh, Matrix, não posso voltar lá'”.

“E eu perguntei para os meus amigos, e meus amigos foram realmente o tipo de processo de decisão que me ajudou a dizer: ‘OK sim vamos fazer isso’, porque estas pessoas são o real motivo pelo qual nós voltamos e fizemos de novo.”

A decisão de Lana de transformar seus sentimentos em arte é uma decisão admirável, e só podemos esperar que este processo contribua para a criação de uma história ainda mais densa, cativante e emocional do que suas versões anteriores.

Matrix 4 estreia em 22 de dezembro nos cinemas e na HBO Max americana. No Brasil, como sempre, o filme estará disponível na plataforma 35 dias depois. 

Veja mais ›