Tina Fey explica por que público vai se apaixonar por sua personagem em Soul

Tina Fey (Divulgação)
Tina Fey (Divulgação)

Em Soul, o próximo filme animado da Pixar e da Disney, o  público acompanhará a história de Joe Gardner (Jamie Foxx), que quando tem a chance de realizar seu grande sonho, sofre um acidente e morre. Sua alma vai parar no “Grande Antes”.

Na tentativa de voltar para voltar ao mundo dos vivos, Gardner acaba conhecendo uma alma chamada 22 (Tina Fey), que tem uma visão bem pessimista sobre a vida. Enquanto o músico é entusiasmado e apaixonado, 22 é indiferente e sarcástica.

Tina Fey conversou com o Comic Book e ofereceu mais detalhes sobre sua personagem em Soul. Ela ainda comentou que muitas pessoas podem se identificar com a 22, pois sua resistência é apenas um disfarce para o medo e a incerteza

Bem, eu acho que ela é muito inteligente para seu próprio bem“, disse Fey.

“E todo o seu tipo de… sarcasmo ranzinza vem do medo, que é algo com que muitos de nós podemos nos identificar. Ela está com medo. Ela está com medo de viver, ela está com medo de ir para a Terra, ela está preocupada que seja doloroso e fedido e assustador. E acho que todos podemos nos identificar com isso“.

Cena de Soul (Divulgação / Disney e Pixar)
Cena de Soul (Divulgação / Disney e Pixar)

Fey também disse que se sentir oprimido pelas experiências da 22, uma vez que ela chega à Terra, também é algo com o qual todos podemos nos relacionar.

E que quando ela for para a Terra, acho que ela estará aberta a novas experiências“, continuou Fey.

“Depois que ela finalmente coloca o dedo do pé na água, ela fica maravilhada com o quão boa é a pizza e como as árvores são lindas e eu concordo com ela em ambas as coisas”.

O filme Soul como um todo, faz algumas perguntas importantes sobre a vida e o propósito e, para Fey, também serve como um trampolim para realmente examinar o que é demais e um lembrete para às vezes apenas ficar quieto.

Eu acho que o filme faz muitas perguntas importantes sobre qual é o seu propósito na vida. O que mexe com você? E vai um passo além disso, que também fala sobre até mesmo pessoas com uma paixão que tudo consome, em que ponto isso é demais? ” comentou Fey.

“Sabe, acho que, especialmente como americanos, somos muito motivados e orientados para a realização. E há realmente uma chamada para a quietude e apenas estar presente de uma maneira acho que é um modo budista. Isso foi algo que tirei do filme. É importante lembrar”, ela finalizou.

Formado em administração e psicologia. Fez curso de desenho com especialização em cartoons. Adora videogame, animações e filmes e séries de super heróis e monstros.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›