Patty Jenkins garante que só dirigirá Mulher-Maravilha 3 com lançamento exclusivo nos cinemas

Patty Jenkins e Gal Gadot (Divulgação)

A diretora Patty Jenkins declarou que só gostaria de dirigir um Mulher-Maravilha 3 com algumas condições.

Em entrevista ao The New York Times, ela afirmou que só comandaria outra sequência da heroína se houvesse lançamento exclusivo nos cinemas.

“Nós veremos o que vai acontecer. Eu realmente não sei. Adoraria fazer um terceiro se as circunstâncias estivessem certas e ainda houvesse um modelo para cinemas possível. Eu não sei o que eu faria se não houvesse.

A diretora expôs as condições após a Warner Bros. anunciar que todos os seus filmes de 2021 teriam lançamento simultâneo nos cinemas e na plataforma de streaming HBO Max.

Recentemente, ela foi anunciada como a diretora de um novo filme de Star Wars, Rogue Squadron.

Jenkins também confirmou que recebeu entre US$ 8 milhões e US$ 10 milhões para dirigir o novo filme da heroína da DC.

Patty Jenkins e Gal Gadot (Divulgação)

Mulher-Maravilha 1984 teve sua estreia em 32 países e arrecadou US$ 38,5 milhões de dólares em sua primeira semana em cartaz em cinemas espalhados pelo mundo, de acordo com relatório do The Hollywood Reporter.

A sequência estreia nos EUA – em cinemas e no HBO Max – no dia 25 de dezembro.

Patty Jenkins, que comandou os dois primeiros filmes da Mulher-Maravilha, também afirmou em diversas entrevistas que espera que o 3º filme seja uma história voltada aos tempos atuais e também, a última sequência a ser produzida para a personagem.

“Eu não quero fazer outro filme de época e, é uma das coisas que discuti com a Warner. Eu não estou ansiando por colocá-la no passado novamente, porque não mostraríamos para onde essa personagem está indo. Então, é definitivamente uma história contemporânea. Isso é tudo o que posso dizer. Onde nós levaremos a história e como isso será revelado, eu ainda não tenho certeza.”

Durante uma entrevista ao MTV News, a atriz Gal Gadot, intérprete da heroína, também declarou que espera uma sequência nos tempos atuais:

“Eu não iria aos anos 1940 ou aos anos 1960 com a Mulher-Maravilha. Sinto que o passado dela foi bem tratado e agora é hora de seguir em frente. O presente é a coisa certa”.

Formado em Criação e Produção Audiovisual pelo CBM (Centro Universitário Barão de Mauá). Frequentador assíduo das salas de cinemas, é também colecionador há anos de filmes em DVD e Bluray. Atuou como produtor e editor do SBT e na redação de blogs e sites em geral. Atualmente, trabalha como redator do E-Pipoca.


SIGA-NOS E VEJA MAIS