Atuação de James Corden em A Festa de Formatura gera polêmica entre os críticos

A Festa de Formatura (Divulgação / Netflix)
A Festa de Formatura (Divulgação / Netflix)

A Festa de Formatura (The Prom, no original) é o próximo filme musica da Netflix.

O longa metragem está marcado para estrear no dia 11 de dezembro, mas os críticos já assistiram ao filme e tiveram suas primeiras impressões.

Apesar de receber boas avaliações, A Festa de Formatura não escapou de críticas, principalmente por conta do personagem de James Corden.

O filme é baseado em um musical da Broadway, e Corden interpreta Barry Glickman, que no palco foi vivido por Brooks Ashmanskas.

Barry Glickman é uma diva completa, extravagante e abertamente gay, e de acordo com uma matéria do IndieWire, muitos críticos questionaram a atuação de James Corden assim como a escolha dele para o papel.

As opiniões divergem sobre o quão aceitável é para atores heterossexuais interpretar papéis gays, mas poucos atores heterossexuais poderiam se safar com um personagem gay como este, um papel que pareceria estereotipado em uma sitcom dos anos 80 e aqui parece ofensivo”, escreve o crítico da Newsweek Samuel Spencer.

“Talvez ciente do potencial campo minado de um ator heterossexual interpretando um estereótipo gay inflamado, Corden canaliza os maneirismos sem alegria. É uma performance plana sem muito coração”, acrescentou David Rooney do The Hollywood Reporter.

“Em um elenco cheio de atores queer talentosos nas partes mais jovens, é um grande problema ter Corden com um rosto gay na frente e no centro, tentando ao máximo a trágica experiência do próprio Barry de sair de casa como um adolescente de 16 anos não amado… Quando ele agarra a mão de Emma e a leva para o shopping para uma reforma, é um insulto que o filme nem mesmo considera, estereotipando a jovem lésbica como fashion- sem noção e o homem gay como um pesadelo movimentado de Queer Eye que deixou este crítico com vergonha de estar rebatendo pelo mesmo time”, pontuou Tim Robey do Telegraph.

Corden, por mais que seja um artista, não é um ator com o alcance para fazer funcionar”, Ian Sandwell do Digital Spy. “Seu desempenho parece datado e atinge um tom amargo em um filme que, de outra forma, tem uma mensagem muito bem-vinda e comovente”.

Formado em administração e psicologia. Fez curso de desenho com especialização em cartoons. Adora videogame, animações e filmes e séries de super heróis e monstros.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›