Homem-Aranha: De Volta ao Lar – Tom Holland quase provocou acidente durante filmagem

Homem-Aranha: De Volta ao Lar (Reprodução)
Tom Holland em Homem-Aranha: De Volta ao Lar (Reprodução)

A cada vez mais aumenta a expectativa para o novo filme do Homem-Aranha ainda sem título, mas Tom Holland parece ter conquistado um lugar definitivo no coração dos fãs, desde que apareceu pela primeira vez em Homem-Aranha: Volta ao Lar.

Para quem não sabe, a primeira aparição dele como Cabeça de Teia foi na verdade em Capitão América: Guerra Civil, só depois ele filmou seu filme próprio.

Curiosamente, ele precisou fazer uma bateria de testes, e concorreu com diversos outros atores que já tinham uma carreira mais consolidada, como Asa Butterfield, Thimotee Chalamet, entre outros.

Como vantagem contou o fato de Tom já ter feito ballet anteriormente, e ser fera em acrobacias coreografadas. Com seus 1,73m e 19 anos de idade, ele foi o ator mais jovem a interpretar Peter Parker no cinema.

Antes dele, Tobey Maguire, e Andrew Garfield deram vida ao herói, com 27 e 29 anos respectivamente ao estrearem no papel.

Conhecido como língua solta nos bastidores de Hollywood por não saber manter segredo, ele acabou deixando escapar que seria o novo Homem-Aranha antes mesmo do filme começar a ser filmado.

Britânico, ele pediu que a Marvel o matriculasse numa escola técnica americana para aprender na prática a prosódia do sotaque local.

Uma outra curiosidade sobre o filme é que durante as gravações, a Marvel cogitou usar um tipo de cola para prender as orelhas de Tom em sua cabeça, porque quando ele colava a máscara, suas orelhas, ficavam saltadas, e bastante visíveis por debaixo do tecido.

Acidente

Cena de Homem-Aranha de Volta ao Lar em que o herói salva Liz
Cena de Homem-Aranha de Volta ao Lar em que o herói salva Liz (Reprodução)

Como o ator dispensava os dublês por conseguir fazer suas acrobacias, um acidente quase aconteceu na cena em que seu par romântico fica pendurado apenas em sua teia num elevador. Ele contou isso durante a coletiva para a divulgação do filme.

“Não deu certo. Eu estava de cabeça para baixo, e segurando-a, e a deixei cair. Por sorte, o dublê estava perto, e a salvou. Temos que agradecer ao Huggins, porque se fosse por mim, Laura teria morrido”.

Paulo Afonso

Comunicólogo balzaquiano, paulistano, e com experiência vasta nesse mundo virtual. Adorador de séries, filmes, quadrinhos, e tudo o que envolve a cultura pop.


SIGA-NOS E VEJA MAIS