Bruce Lee teria gostado de Cobra Kai? Ex-aluno e amigo do ator responde

Bruce Lee (Reprodução)
Bruce Lee (Reprodução)

Kareem Abdul-Jabbar explicou por que seu amigo e ex-mentor, Bruce Lee, teria adorado Cobra Kai da Netflix.

O show é baseado na famosa franquia de filmes Karatê Kid, e se vale não só das cenas de luta, mas também mexe com os sentimentos do fãs e faz um bom uso do nostalgia.

E quando se fala em artes marciais, um dos primeiros nomes que se vem em mente é Bruce Lee.

Em coluna escrita para o The Hollywood Reporter, Kareem Abdul-Jabbar explicou o que Lee teria gostado e também não gostado em Cobra Kai.

Abdul Jabbar começou falado sobre a visão que Bruce Lee tem das artes marciais.

“Bruce era meu professor e amigo e sempre falava sobre sua missão nas artes marciais de se tornar não apenas matéria-prima para filmes de ação, mas um guia espiritual para viver uma vida mais rica. Ele sabia que para que isso acontecesse, o mundo deveria primeiro desfrutar do aspecto esportivo e atlético da prática antes de abraçar seu lado espiritual. Cobra Kai tenta equilibrar o combate com a consciência. Quase sempre é bem-sucedido. Bruce teria ficado muito satisfeito com as partes em que funciona e um pouco decepcionado com as partes em que não funciona”.

Em seguida falou como Cobra Kai equilibra os ensinamentos das artes marciais com a história de vida de cada personagem

“Em vez de ser apenas uma história de amadurecimento como os filmes, foi uma história de redenção para o vilão adolescente do primeiro filme, Johnny Lawrence (William Zabka)”.

Ele acrescentou

“Bruce teria adorado essa reimaginação porque ele viu as artes marciais não apenas como uma forma de se defender contra os inimigos, mas como uma forma de se defender contra os próprios impulsos autodestrutivos. As artes marciais curam porque ajudam a identificar seus problemas e se adaptar para resolvê-los”.

Como um ponto que Bruce Lee não teria gostado na série, Kareem Abdul-Jabbar disse que seria as sequências de luta.

“Onde Bruce pode ter discutido é na representação dos movimentos reais das artes marciais. Por ser um programa familiar, os socos, chutes e combinações muitas vezes parecem projetados para ser menos agressivos. As cenas de luta são geralmente lentas e estranhas, sem a empolgante arte que combina velocidade, graça e uma borda de perigo. Talvez o programa acredite que é, realisticamente, como as crianças daquela idade com aquele nível de treinamento lutariam, mas é o mesmo quando mostram praticantes mais experientes, incluindo Daniel”.

Abdul-Jabbar finalizou:

“Os consideráveis ​​pontos fortes do programa superam em muito essas pequenas falhas. Gosto de pensar que Bruce e eu teríamos adorado sentar juntos em um sofá desfrutando do delicioso Cobra Kai, enquanto ele jogava sua grande cabeleira sobre mim e me lembrava das vezes em que chutou minha bunda quando eu era seu aluno”.

Formado em administração e psicologia. Fez curso de desenho com especialização em cartoons. Adora videogame, animações e filmes e séries de super heróis e monstros.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›