Tyler Gillett explica porque Jenna Ortega se tornou a estrela de Pânico

publicidade

O quinto filme da franquia Pânico chegou aos cinemas mais de uma década depois de seu antecessor, trazendo de volta as maiores estrelas do elenco original, mas, apesar de Neve Campbell, Courteney Cox e David Arquette terem arrasado, foi uma novata que se destacou.

Jenna Ortega brilhou como Tara Carpenter, tanto que recentemente foi ressaltada pelos próprios diretores do filme, Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett, durante uma entrevista para o site americano Screen Rant, quando eles foram indagados sobre o trabalho da atriz no longa.

“Eu nem sei por onde começar com Jenna. Todos no elenco são tão talentosos, mas apenas destacando-a por um segundo, eu acho que havia algo que Mason [Gooding, que interpreta Chad] sempre diria sobre Jenna especificamente. Ele diria que ela foi construída diferente. Há algo sobre Jenna, é como se ela fosse eclodida ou construída em um laboratório para fazer o que ela faz tão bem”, Tyler Gillett afirmou.

publicidade
Jenna Ortega como Tara Carpenter em cena de Pânico (Divulgação)

Ele prosseguiu destacando que, em seu ponto de vista, o que faz do trabalho de Ortega algo tão bom é o fato dela se entregar totalmente ao personagem, viver a história dele.

“Eu acho que no final das contas é uma vulnerabilidade real, e eu não acho que ela tem medo de ser realmente honesto e mostrar às pessoas esse nível de honestidade. Eu acho que, no final do dia, você tem que ter isso se você vai sentir não só que você se importa com o personagem, mas que o perigo deles é realmente genuíno”, ele opinou.

O cineasta, ainda, explicou que a maioria dos artistas tem aquilo de entrar no personagem, mas poucos conseguem se ligar emocionalmente às cenas da maneira que Ortega faz, tão facilmente.

publicidade

“Uma coisa é ler uma sequência em uma página e saber que a mecânica dela é realmente interessante, e isso é o que está em jogo. E há algumas sequências, sem estragar nada, onde Jenna pode ser o ingrediente chave do filme. Então você vê alguém trazer a experiência emocional disso para a vida e você diz: ‘Oh, certo. Não, isso é o que é’. A mecânica é uma coisa, mas como se sente e o nível de terror é uma coisa totalmente diferente que você tem que comunicar. Sua habilidade de ligar isso é apenas um talento prodigioso. Trabalharemos para Jenna Ortega algum dia. Ela é tão incrível”, ele concluiu.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›