The Resident | Conrad passará por processo traumático após morte da esposa

Dr. Conrad Hawkins (Matt Czuchry) em The Resident (Reprodução)
Dr. Conrad Hawkins (Matt Czuchry) em The Resident (Reprodução)

Negação, raiva, barganha, depressão e aceitação aguardam Conrad Hawkins de alguma forma enquanto o médico se ajusta à vida sem sua falecida esposa, Nic, em The Resident.

Mas em um futuro mais imediato, haverá um outro estágio de luto que tomará conta de Conrad após a morte de Nic: o trabalho de detetive que o consumirá.

De acordo Matt Czuchry, seu personagem explorará como “processar algo tão traumático e tão repentino” como perder sua esposa inesperadamente.

Para tanto, Conrad vai passar o episódio tentando juntar as peças das circunstâncias do acidente de carro que tirou a vida de Nic. Czuchry disse ao TVLine:

“O que veremos é alguém que perdeu o amor de sua vida, que perdeu sua alma gêmea – que, toda vez que olha nos olhos de Gigi, ele vê Nic. Não acho que vamos fugir disso. Conrad vai tentar encaixar algumas respostas nas caixas e dar sentido a isso mas às vezes as respostas que você está procurando aparecem de maneiras surpreendentes. Às vezes pensamos que podemos ter uma resposta específica para algo que não tem a resposta que você deseja”.

O co-showrunner de The Resident, Peter Elkoff, que anteriormente brincou com a investigação de Conrad sobre o acidente de carro como um empreendimento “emocionalmente difícil” para o médico, parece bem ciente do ato de equilíbrio que está à frente para o show após a morte de Nic. Nas próprias palavras do Produtor Executivo:

“Qual é o tom certo? Quando está tudo bem para Conrad olhar para frente?”.

De acordo com Elkoff, ele e a equipe criativa de The Resident “debateram, negociaram e discutiram” sobre essas questões exatas enquanto planejavam a 5ª temporada após a partida de Emily VanCamp, e finalmente chegaram a uma conclusão “feliz, senão levianamente” sobre onde levar o série após uma perda tão significativa.

“O que tornou um pouco mais fácil contar histórias é o fato de que nossos personagens trabalham em um hospital e, todos os dias, vêm pessoas que precisam de sua ajuda. Eles não são pessoas que podem simplesmente ficar sentadas em casa e se sentir tristes. Eles têm que continuar e fazer o que fazem”.

“Como você pode ver nos próximos dois episódios, não faltam referências [a Nic] e expressões de emoção. Mas a vida das pessoas está avançando e seus empregos se tornam importantes. As pessoas chegam doentes e feridas e precisam de ajuda, e essa é uma história muito atual para contar cada vez que fazemos isso. Nós realmente nos apoiamos nisso e avaliamos quando o público estará bem para apenas olhar para frente, de certa forma, e tomamos essa decisão. Veremos se estávamos certos”.

Veja mais ›