Super-Homem dos anos 90, Dean Cain desaprova herói como bissexual

Dean Cain compartilhou suas opiniões sobre a revelação recente de que a nova versão do Super-Homem vai se assumir bissexual nos quadrinhos da DC em entrevista com a Fox News. E a opinião do ator não foi muito favorável, não.

O ator de 55 é conhecido por ter encarnado o heroi de Kripton na série de 1993, Lois & Clark: As Novas Aventuras do Superman. Dean não pareceu muito feliz com a nova direção que a personagem está tomando nas novas edições dos gibis. Durante entrevista no Fox & Friends First, o ator critica a decisão, e urge que a empresa foque em outros temas, mostrando o “combate ao real mal do mundo”, como ele mesmo diz.

Cain fala que o heroi é apenas mais um em uma longa lista de personagens que recebem uma trama com temática LGBTQIA+. Ele relembra que, há apenas alguns meses, a DC Comics anunciou que Robin também entraria em um relacionamento com seu amigo.

“Eles dizem que é corajoso  e uma direção nova. Pra mim é só bandwagoning

Ator acha que temas mais atuais deveriam ser abordados

Bandwagoning pode ser traduzido como algo como “seguir na onda” (no popular brasileiro, ‘seguir o bando’). Segundo o ator, uma personagem se declarar bissexual em pleno 2021 não tem nada de inovador ou chocante. Ele diz que se outros temas mais atuais fosse inseridos, a temática poderia se tornar mais interessante:

“Eu não acho que seja corajoso ou ousado ou alguma nova direção louca. Se eles tivessem feito isso há 20 anos, talvez isso fosse ousado ou corajoso. Mas corajoso mesmo seria ter ele lutando pelos direitos de pessoas gays no Irã onde eles jogam você de um prédio pela ofensa de ser gay.”

Superman: Son of Kal-El #5 (Divulgação / DC Comics)
Superman: Son of Kal-El #5 (Divulgação / DC Comics)

O filho de Clark Kent, desde que estreou como personagem nos quadrinhos, lutou por direitos como mudança climática e a deportação de refugiados em Metrópolis.

Dean então aponta que Jon Kent poderia fazer muito mais em sua história e combater o mal de situações que acontecem ainda nos dias de hoje:

“Por que eles não pegam ele e fazem ele lutar pelas injustiças que criaram os refugiados cuja deportação ele está protestando? Isso sim seria corajoso. Eu leria sobre isso. Ou lutar pelos direitos de mulheres de frequentarem a escola e trabalhar e viver e meninos não serem estuprados por homens sob o confortável e agradável Talibã.”

O ator conclui, dizendo que acha que há muitos temas que podem ser trabalhados que podem trazer atenção sobre problemas no mundo, que tem tudo a ver com o mundo dos super-heróis, e que ele adoraria ver uma história assim:

“Tem um mal real no nosso mundo hoje em dia, corrupção real e governos que abusam seu poder… Seria ótimo abordar estes assuntos. Eu gostaria de ver uma personagem fazendo isso”, finalizou.

Veja mais ›