Steven Spielberg acha que streaming não vai matar cinemas

Steven Spielberg (Foto: Divulgação)

As redes de cinemas de todo o mundo estão enfrentando diversos problemas em meio à pandemia do coronavírus (COVID-19). Com o aumento de novos casos de infecções, grande parte delas tiveram que fechar suas portas novamente.

Diante desse cenário, o lendário diretor Steven Spielberg, sempre otimista, revelou em uma carta ao Empire que acredita na retomada dos cinemas após a crise e detalhou por que eles são parte importante de nossa sociedade:

“Na atual crise de saúde, onde as salas de cinema estão fechadas ou a frequência é drasticamente limitada por causa da pandemia global, ainda tenho esperança e a certeza de que, quando for seguro, o público voltará ao cinema. Ir ao cinema é como sair de casa para ir ao teatro, significa um sentimento de comunhão… Comunhão com outras pessoas que deixaram suas casas e estão sentadas conosco. No cinema, você assiste a filmes com pessoas importantes em sua vida, mas também na companhia de estranhos. Essa é a magia que experimentamos quando saímos para ver um filme, uma peça, um show ou uma comédia.”

“Por algumas horas, quando as luzes se apagam, nós nos tornamos uma comunidade, de coração e espírito parecidos, ou pelo menos semelhantes por termos compartilhado uma experiência poderosa. Aquele breve intervalo em um teatro não apaga as muitas coisas que nos dividem: raça ou classe ou crença ou gênero ou política. Mas nosso país e nosso mundo parecem menos divididos, menos fragmentados, depois que uma congregação de estranhos riu, chorou e pulou de seus assentos juntos, tudo ao mesmo tempo. A arte nos pede que tenhamos consciência do particular e do universal, ao mesmo tempo. E é por isso que, de todas as coisas que têm o potencial de nos unir, nenhuma é mais poderosa do que a experiência comunitária das artes.”

Steven Spielberg dirigindo uma cena de Jogador Nº1 (Foto: Divulgação)

Diretor de grandes sucessos como Tubarão (1975), Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977), ET: O Extraterrestre (1982), Indiana Jones (1981), Jurassic Park (1993) e Jogador Nº1 (2018), Spielberg lembrou ao público que este talvez não seja o momento ideal de nos aventurarmos em cinemas para comermos pipoca e curtirmos os nossos heróis favoritos ao lado de estranhos:

“Esperançosamente, essa hora chegará novamente … mais cedo ou mais tarde. As esperanças vêm surgindo, conforme avançamos 2021, com o surgimento de novas e eficazes vacinas contra a COVID-19. Todos se perguntam sobre como será voltar ao normal ou, mais precisamente, um ‘novo normal’. Estou confiante de que, uma vez que seja seguro retomar às plateias dos cinemas, o público vai se aglomerar novamente em massa.”

O próximo filme de Spielberg será o remake de Amor Sublime Amor, que será estrelado por Ansel Elgort, Rachel Zegler e Ariana DeBose. O filme estava programado para estrear nos cinemas em dezembro do ano passado, mas foi adiado para 10 de dezembro de 2021, depois da retomada da pandemia.

Formado em Criação e Produção Audiovisual. Frequentador assíduo das salas de cinemas e também colecionador há anos de filmes em DVD e Bluray. Atuou como produtor e editor do SBT e na redação de blogs e sites em geral. Atualmente, trabalha como redator do E-Pipoca.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›