Roteirista demitida de Superman & Lois detona história da série e acusa diretores de sexismo

Superman (Tyler Hoechlin) e Lois (Elizabeth Tulloch) em Superman & Lois
Superman (Tyler Hoechlin) e Lois (Elizabeth Tulloch) em Superman & Lois (Divulgação)

Superman & Lois ainda nem estreou e já está causando burburinho nos bastidores. É que uma das roteiristas está alegando que foi demitida da série após reclamar, e tentar abrir os olhos dos diretores, e de outros roteiristas sobre um presente sexismo nos scripts que já foram apresentados.

A série que é a mais nova aposta da The CW para compor o Arrowverse começou a ser gravada na semana passada, e a escritora Nadria Tucker usou as redes sociais, e chamou os diretores do programa de sexistas, sobretudo após sua demissão. Ela havia alegado que o programa possui piadas problemáticas, e uma aparente falta de narrativa voltada para as mulheres, mesmo que o nome da série sugira que uma mulher detenha o protagonismo.

Ela ainda disse que entrou em uma cruzada para que personagens negros parassem de aparecer apenas como vilões, mas tudo foi em vão. “Algumas notícias pessoais: Quarta-feira recebi a notícia de que meu contrato com o Superman & Lois não será estendido, meus serviços não serão mais necessários, e que meu esboço e rascunho foram considerados abaixo da média (obviamente eu discordo dessa última parte rs)”, começou ela pelo Twitter.

Laura Prudom, Dan Jurgens, Jim Lee, Frank Miller, Brian Michael Bendis, Cameron Welsh, Nadria Tucker, e Lina Patel
Laura Prudom, Dan Jurgens, Jim Lee, Frank Miller, Brian Michael Bendis, Cameron Welsh, Nadria Tucker, e Lina Patel (Divulgação/ DC comics)

“Isso, depois de meses sinalizando piadas misóginas nos diálogos, ou defendendo o teste de Bechdel”, continuou. O teste de Bechdel citado pela autora foi criado há pouco mais de 30 anos para garantir representatividade às mulheres, e nele é avaliado se a trama possui pelo menos uma personagem feminina, ou se numa cena com duas personagens mulheres, o assunto em questão não seja um homem.

“Eu estava lá LUTANDO para garantir que os únicos rostos negros na tela não fossem vilões, e tentando lançar histórias para personagens femininas (há uma no título da série!) que foram ignoradas. Se pareço amargurada, é porque está doendo. Os colegas me garantiram que fui ótima na sala de roteiristas, então sei que não estou louca. Eu debati se deveria postar isso, mas meu próprio bem-estar mental exige que eu o faça. A única maneira de as coisas mudarem é expô-las”, disparou ela. Segundo a sinopse divulgada da série, ela irá mostrar o dia a dia de Lois e Clark, após se mudarem novamente para o interior do Kansas para criarem os filhos adolescentes.

Comunicólogo balzaquiano, paulistano, e com experiência vasta nesse mundo virtual. Adorador de séries, filmes, quadrinhos, e tudo o que envolve a cultura pop.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›