Produtor está preocupado com a terceira temporada de The Boys; saiba o motivo

Billy Bruto (Karl Urban) em The Boys (Reprodução / Amazon)
Billy Bruto (Karl Urban) em The Boys (Reprodução / Amazon)

Quando se fala em produções de super heróis muitos imaginam um mundo colorido onde o bem sempre o vence o mal e os heróis estão sempre acima de qualquer suspeita.

Contudo, The Boys mostrou que o mundo dos super heróis pode ser bem sombrio, e ainda pode-se discutir temas pesados como impunidade, violência, abuso de autoridade e conspirações.

The Boys é conhecido por não poupar nas bizarrice e cenas sangrentas. Porém, showrunner e produtor executivo Eric Kripke descreveu o processo de composição terceira temporada de sua série como “divertida e alegre”.

Em uma entrevista para o Consequence of Sound (via Comic Book), Kripke comentou: “O que me preocupou na terceira temporada é que se tornou muito divertido e alegre escrever de novo“.

Ele continuou:

Isso me preocupa. É uma sensação agradável. Eu deveria estar em intensa e profunda introspecção para isso. Eu sei, obviamente, que cada temporada de um programa de televisão fica um pouco mais difícil porque todos os seus melhores instintos originais para explorar foram explorados”.

“Então, você tem que começar a ir para algumas das áreas que a princípio não teria ocorrido em você ir nessas histórias, e essas são sempre um pouco mais difíceis de fazer parecer tão grandes e fascinantes quanto as coisas que você atingiu no início. Portanto, é um desafio”, acrescentou.

Kripke também comparou o que sentiu ao escrever a nova temporada com a forma como se sente quando estão encerrando um episódio do programa, observando que sempre deseja mais tempo na edição.

Gosto das minhas temporadas quando acabam. Quando as faço, penso, ‘Cara, como podemos tornar isto melhor?’“, pontuou Kripke.

“Eu estava dizendo a alguém do meu departamento  outro dia que quando eu finalmente aprovo um corte, como a tomada de efeitos visuais, parece uma derrota para mim. Parece uma derrota para mim, porque agora tenho que admitir que também porque estamos sem tempo ou dinheiro, simplesmente não vai melhorar”.

“Então, nada me deixa mais feliz do que dizer, ‘Oh, eu tenho um monte de notas. Vá torná-lo melhor, cara’. Não sou o cara que fica tipo, ‘Acabou e estou feliz’. Eu fico tipo, ‘Sim, cara. Eu gostaria de ter mais um mês com tudo’“, finalizou.

Formado em administração e psicologia. Fez curso de desenho com especialização em cartoons. Adora videogame, animações e filmes e séries de super heróis e monstros.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›