Por que Disney permitiu filme de terror com Ursinho Pooh?

Casa do Mickey Mouse não foi a responsável pela criação do personagem

publicidade

Desde que saiu a notícia de um filme com uma versão violenta e assassina do famoso e adorado Ursinho Pooh, fica a pergunta: como a Disney permitiu que seu personagem fofinho fosse usado como o vilão de um filme de terror?

A Walt Disney Pictures não é mais dona dos direitos autorais do personagem, tampouco ele foi criado pelo estúdio.

publicidade

Na verdade, o Ursinho Pooh foi uma invenção do autor A. A. Milne, que publicou o personagem pela primeira vez em uma coletânea de livros intitulada The House at Pooh Corner, de 1926.

Primeira edição do livro, The House at Pooh Corner, em que Pooh aparece pela primeira vez
Primeira edição do livro, The House at Pooh Corner, em que Pooh aparece pela primeira vez (Divulgação)

A Disney usou Pooh pela primeira vez em 1961, quando fez uma coleção de filmes com o personagem, e foi aí que ele se tornou a figura mundialmente conhecida que é hoje.

O Ursinho Pooh (Reprodução)
publicidade

Na época de sua criação, as leis de propriedade intelectual funcionavam de forma diferente de como elas são desde 1976. Naquela época, a legislação ditava que qualquer propriedade autoral perdia seus direitos e se tornava de domínio público passados 95 anos de seu lançamento.

O filme de terror Winnie-The-Pooh: Blood and Honey começou a ser produzido no ano passado, que pelas contas (1926 a 2021) torna perfeitamente dentro da lei usar o fofo ursinho em outras produções desvinculadas da Disney.

publicidade
Winnie-The-Pooh: Blood and Honey (Divulgação)
Winnie-The-Pooh: Blood and Honey (Divulgação)

Ainda não há informações oficiais sobre a estreia do longa, menos ainda sobre o seu enredo além da motivação dos personagens para matar. A descrição oficial diz apenas: “O filme segue Pooh e Leitão enquanto eles saem em uma matança depois que Christopher Robin abandona a ambos.”

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›