Por que Mulher-Maravilha 1984 fez os vilões mais carismáticos já vistos em filmes de heróis?

Cena de Mulher-Maravilha 1984 (Reprodução / DC)
Cena de Mulher-Maravilha 1984 (Reprodução / DC)

Embora o DCEU tenha apresentado alguns adversários convincentes, de acordo com o site CBR, Mulher-Maravilha 1984 pode ter os vilões mais simpáticos até agora.

Maxwell Lord e Mulher-Leopardo são personagens trágicos, levados a fins absurdos por seus desejos egoístas, mas compreensíveis. Cada um se torna uma força monstruosa de destruição, e Diana acaba salvando cada um no final do filme.

Embora nenhum dos vilões esteja sem pecado, o que Mulher-Maravilha 1984 apresenta de maneira tão bela é uma narrativa sobre a bondade interior da humanidade e como, mesmo em face de nossos desejos mais egoístas, ainda há uma chance de redenção.

O DCEU não tem vilões simpáticos

O DCEU estabeleceu vários vilões, mas mesmo os trágicos raramente tocam tanto o coração do público. A maioria são maus e procuram apenas causar danos.

Vilões como Zod, de Homem de Aço têm motivações e crenças que fazem sentido, mas sua crueldade e violência absolutas tornam difícil simpatizar com eles.

Personagens como Magia, de Esquadrão Suicida e Dr. Silvana, de Shazam! são manipulados e controlados por entidades além de sua compreensão, mas eles não são particularmente simpáticos.

O mais próximo que o DCEU chegou de um vilão verdadeiramente simpático foi o Arraia Negra em Aquaman, que é apenas um pirata que quer vingar a morte de seu pai.

Isso é, novamente, muito humano e compreensível. O público simpatiza com ele, quer vê-lo ter sucesso e às vezes está do seu lado quando ele está trocando golpes com Aquaman.

No entanto, um vilão não ser simpático não significa que ele seja mau. Significa simplesmente que o escritor escolheu criar um antagonista convincente para o protagonista, sem necessariamente querer que os espectadores gostem ou mesmo se identifiquem com aquele vilão.

O que a Mulher Maravilha 1984 faz de maneira diferente é apresentar vilões cujas motivações são humanas e compreensíveis, enquanto também permite que suas ações pareçam lógicas com base no que entendemos sobre suas motivações.

Maxwell Lord

Maxwell Lord (Pedro Pascal) em Mulher-Maravilha 1984 (Reprodução / DC)
Maxwell Lord (Pedro Pascal) em Mulher-Maravilha 1984 (Reprodução / DC)

O que torna Maxwell Lord tão atraente é que ele é um reflexo trágico da América.

Ele é um ‘self-made man’ em muitos aspectos. Ele se transforma qualquer coisa num discurso de que qualquer pessoa pode realizar seus sonhos, ao mesmo tempo em que promove seus serviços na televisão.

Ele também é um vigarista, enganando as pessoas sem dinheiro para financiar seu negócio que não fornece nenhum produto.

Mais tarde, quando ele ganha o poder da Dreamstone, ele derruba as pessoas de seus desejos mais profundos, tornando-se um monkey paw (gíria americana para designar uma pessoa que não pensa nas consequências ao fazer seus desejos e escolhas de vida), onde ele pega algo das pessoas enquanto lhes dá um desejo.

O que o torna trágico e não repugnante, no entanto, é como o filme reforça constantemente sua humanidade ao longo do filme. Nós o vemos como um menino, constantemente intimidado, abusado e maltratado por aqueles ao seu redor.

Você o vê lutando para construir um negócio, mesmo que seja baseado em uma mentira. Isso o deixa com inseguranças que alimentam seu relacionamento com o filho.

Ele quer ser uma pessoa de quem seu filho possa se orgulhar, e sua busca cega e obsessiva por isso o deixa incapaz de ver o que já tem.

Tudo isso alimenta os temas gerais da Mulher Maravilha 1984: que seguir um caminho fácil pode ter consequências terríveis e devastadoras.

As motivações de Lord são movidas por ideologias promovidas tanto na década de 1980 quanto na cultura moderna. A sociedade americana valoriza o valor de uma pessoa com base em seu sucesso. Como resultado, as ações do Senhor, embora devastadoras e terríveis, são humanas.

Mulher-Leopardo

Barbara Minerva (Kristen Wiig) em Mulher-Maravilha 1984 (Reprodução / DC)
Barbara Minerva (Kristen Wiig) em Mulher-Maravilha 1984 (Reprodução / DC)

Em um sentido semelhante, Barbara Minerva / Mulher-Leopardo é outra personagem trágica que é definida por seu desejo de ser alguém especial.

No início do filme, ela luta para ser notada ou mesmo apreciada. Embora ela expresse bondade genuína para com as pessoas ao seu redor, ela acaba sendo vitimada e assediada a cada passo, deixando de se destacar por si mesma.

No final das contas, sua admiração por Diana se transforma em ressentimento quando ela sente que Diana a está desprezando, piorando quando ela ganha os poderes de Diana.

Mas esse ressentimento não é suficiente para virar Bárbara contra Diana. O que muda, porém, é o medo de perder o que a torna especial e se tornar comum novamente.

Isso a empurra para um estado desesperado e frenético, permitindo que ela se transforme em algo diferente de tudo: um predador literal.

Isso torna sua queda na vilania incrivelmente trágica, piorada pelo fato de que ela nunca realmente se redime como Maxwell Lord faz.

Ela perde sua transformação, mas é incerto se isso significa que ela perdeu os sentimentos de ressentimento que sentia por Diana. Isso, novamente, a torna uma vilã DCEU incrivelmente trágica, que é igualmente capaz de inspirar medo e pena.

Formado em administração e psicologia. Fez curso de desenho com especialização em cartoons. Adora videogame, animações, filmes e séries de super heróis e monstros.

Veja mais ›