Jon Hamm conta como foi lidar com Tom Cruise como diretor do novo Top Gun

Jon Hamm em Top Gun Maverick
Jon Hamm em Top Gun: Maverick (Reprodução/ Youtube)

Quase trinta anos depois de sua estreia, o público irá conferir em pouco tempo a sequência de Top Gun. Com Tom Cruise novamente no papel principal, parece que o intitulado Top Gun: Maverick terá algumas ligações com seu irmão mais velho como confirmou o ator Jon Hamm em uma nova entrevista.

Hamm revelou ao site Mens Journal que seu personagem terá algum tipo de conexão com outra figura de autoridade do primeiro Top Gun e parece que o tenente Pete Mitchell ainda está tendo alguns problemas com figuras de autoridade. “Sim, é uma espécie de relação tangencial [com o Viper, de Tom Skerritt]”, disse ele.

“Não é tanto uma figura paterna, como Viper era com Tom. Ele é o chefe aéreo da ala do caça. Ele tem muita autoridade e responsabilidade. Quando isso bate em Maverick, há atrito, como você pode imaginar. Eu forneço o atrito”, disse ele sem dar spoiler sobre a importância de seu personagem.

Um boato havia surgido sobre o personagem de Hamm estar ligado a Viper, porém, segundo ele, não existe uma conexão direta. Ele ainda falou sobre como se sentiu tendo Cruise não só como seu colega de elenco, mas também como seu diretor. “Bem, vou dizer isso sobre Tom, ele é 100 por cento estrela de cinema e 100 por cento um líder. Durante Mad Men aprendi que, se a pessoa no topo da cadeia alimentar se comporta de determinada maneira, é assim que o resto das pessoas vai se comportar”, começou ele.

“Tom está sempre pronto. Ele já está preparado. Ele está sempre na hora certa. Ele tem 900 coisas acontecendo que você nem mesmo sabe. Mas isso nunca entra no trabalho diário. Se houve alguma pressão para atuar e ser ótimo, ou defender o legado do filme, isso não apareceu. Eu poderia dizer que ele estava se divertindo muito, e que o entusiasmo tomou conta do resto do elenco. No meu primeiro dia no set, eu disse a Tom: ‘Isso deve ser surreal para você. Como se você estivesse literalmente no mesmo hangar, 30 anos depois. Quase com o mesmo traje. Como é isso?’ E ele disse: ‘Cara, é irreal. Como isso pode ser legal?’”

Jon Hamm disse que infelizmente não teve a oportunidade de levantar vôo no set devido à enorme burocracia envolvida para que um ator possa fazer isso de verdade. “Eu não fiz, infelizmente. Eu teria adorado. Há muita papelada envolvida quando você está entrando em uma aeronave que custa 80 milhões de dólares que é propriedade dos contribuintes dos Estados Unidos da América”, concluiu.

Comunicólogo balzaquiano, paulistano, e com experiência vasta nesse mundo virtual. Adorador de séries, filmes, quadrinhos, e tudo o que envolve a cultura pop.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›