Astro de O Justiceiro rebate modelo de masculinidade de Hollywood

Jon Bernthal, conhecido pela série O Justiceiro, tem uma nova visão da masculinidade depois de interpretar alguns personagens agressivos.

Ele conversou sobre o assunto no Hot Ones com Sean Evans ao falar sobre seu papel como Johnny Soprano em The Many Saints of Newark.

Ao interpretar o pai de Tony Soprano, sua atuação ajuda a moldar alguém que muitos telespectadores acreditam ser um exemplo da masculinidade na era de ouro da TV.

Bernthal explicou que a verdadeira masculinidade deriva da empatia e da compaixão. Isso está muito longe de alguns desses papéis que ele desempenhou no passado.

O ator foi muito atencioso ao fazer um paralelo sobre como os homens funcionam na sociedade ultimamente e ensinando seus filhos sobre o mundo.

Ele teve que examinar como eles se movem na sociedade como homens e que lições ele gostaria de dar aos meninos. Leia abaixo o discurso de Bernthal:

“Eu só acho que há uma coisa que está acontecendo agora – está em toda parte, está em nossa política, está em nosso entretenimento, está em nossa mídia – onde, mais ou menos, a rigidez e inflexibilidade, mais ou menos, apenas incapacidade de parar de pensar na sua opinião. Isso é ser confundido com, mais ou menos, patriotismo e força e masculinidade, dizer ‘é o meu jeito ou fora’ – onde eu acho que, para mim, isso é a coisa menos americana do mundo”.

“Quanto a ser homem, acho que você precisa ser capaz de falar com qualquer pessoa. Você precisa ter confiança suficiente em si mesmo para saber que pode cometer um erro, que pode aprender com todos, que deve se aproximar e dialogar com pessoas que pensam de forma completamente diferente de você. As pessoas que eu realmente respeito e admiro na minha vida, todos têm isso. Acho que as pessoas que realmente seguem o mesmo caminho, que não apenas falam sobre isso, todas vivem de acordo com esse código – que você está constantemente tentando melhorar, você está constantemente tentando crescer. Não se trata de aplicar minha vontade em você”.

“Eu sinto que foi meio que bastardizado dessa forma que, novamente, é sobre o bombástico e é sobre parecer durão. Mas, você sabe, ter empatia pelas pessoas, ter compaixão pelas pessoas, ajudar as pessoas, querer ser o tipo de pessoa que estará lá para ajudar alguém em necessidade – isso é o que eu acho que é ser pai, ser homem. E eu certamente… é assim que estou tentando criar meus filhos, ter um coração aberto para todos”.

Veja mais ›