Din e o Dragão Genial | O difícil equilíbrio de fazer um filme para o público ocidental e oriental

Cena de Din e o Dragão Genial (Reprodução / Netflix)

Din e o Dragão Genial (Wish Dragon) tem direção de Chris Appelhans, que nasceu em Idaho, nos Estados Unidos.

Contudo, o filme é baseado no folclores chinês somado a certas vivências do próprio diretor na China.

Em uma entrevista para o CBR, Appelhans comentou sobre o difícil equilíbrio de fazer um filme para o público ocidental e oriental.

“Quando tive a ideia pela primeira vez, tive uma escolha muito importante a fazer que era fazê-la aqui com um grande estúdio americano – o que teria sido muito mais fácil e teríamos muito mais dinheiro para fazer ou vá e faça-o na China. Tive uma reunião com o estúdio na China, a Base Animation, e eles eram uma empresa de VFX, eles nunca haviam feito animação, mas eles tinham uma equipe de 20-30 jovens chineses milennials e eles disseram, ‘Nós amamos e nos identificamos com isso história e aqui está tudo o que está completamente errado com o que você está tentando fazer’ [Risos] E eu pensei ‘É com quem eu preciso fazer o filme'”.

O diretor pontuou que apesar do filme ter sido feito na China, muitas características ocidentais foram mantidas.

Acho que o momento que mais importou foi escolher fazer isso com um estúdio na China e com uma equipe basicamente chinesa e ir morar lá por três anos. E mesmo assim, ainda é um filme de faroeste em muitos aspectos, desde as formas fundamentais como os personagens abordam a vida. Há uma sensação de independência para o personagem principal conseguir o que [ele] quer que seja muito ocidental de várias maneiras, mas também estamos vivendo em um [mundo] realmente conectado. Quando conversei com minha equipe e os cineastas com quem trabalhei na China e que pertencem àquela geração, eles disseram: ‘Agora somos parte de cidadãos internacionais e temos muitas influências não apenas nos valores e ideias tradicionais da família, mas todos os que vemos ao redor do mundo, todos fazemos polinização cruzada'”.

Cena de Din e o Dragão Genial (Reprodução / Netflix)
Cena de Din e o Dragão Genial (Reprodução / Netflix)

O diretor pontuou que queria fazer um história de um experiência pessoal que teve na China no passado, onde conheceu um grande amigo, e algo que atingisse todas as pessoas independente da cultura.

“Eu queria fazer um filme que não fosse falar pela China como cultura. Também não é para ser uma observação de terceira pessoa de fora. É para ser uma história basicamente sobre o que aconteceu comigo: aqui está a jornada de uma pessoa por este mundo e ainda assim toca em questões e sentimentos que todos têm em todas as culturas, então vamos fazer uma história para servir ao universal e ao específico. O que é difícil e é por isso que estou muito cansado. [Risos] Esperançosamente, funcionou! Acho que é uma nova geração de histórias com criadores de diferentes países que compartilham muito e ainda há tanto que é estranho entre si. Conheci minha equipe tão bem e, de certa forma, depois de três anos, era provável que eu mal os conhecesse e mal entendesse essa cultura, mas acho que é o tipo de filme que é realmente saudável para nós fazermos e conectando ao redor”.

Din e o Dragão Genial estreia dia 11 de junho da Netflix.

Esse conteúdo não pode ser exibido em seu navegador.

Formado em Administração e Psicologia. Fez curso de desenho com especialização em cartoons. Adora videogames, animações, filmes e séries de super heróis e monstros. Atualmente dedica-se a redação do portal ePipoca.

Veja mais ›