Chefão de The Walking Dead revela que personagem queridinha dos fãs quase foi morta

Carol (Melissa McBride) em The Walking Dead
Carol (Melissa McBride) em The Walking Dead (Divulgação)

O escritor, produtor e chefão de The Walking Dead, Scott Gimple fez uma revelação e tanto em nova entrevista ao dizer que a personagem Carol (Melissa McBride) quase foi morta na terceira temporada da série.

Carol é uma das queridinhas do público e até vai ganhar uma série derivada, em que dividirá o protagonismo com Daryl (Norman Reedus), seu melhor amigo na história.

“Houve uma investigação em andamento sobre como aconteceria o assassinato de Carol. Foi muito além e eu fui muito fortemente contra isso”, disse o ex-produtor supervisor Gimple ao Looper.

“Porque eu vi sua jornada de passar de alguém sob o controle de seu ex-marido para ser uma guerreira. Pareceu a jornada mais incrível para nossa personagem ter feito, e ter trabalhado com Melissa McBride até aquele ponto, foi tipo, ‘Uau, se ela pode fazer isso, ela pode fazer qualquer coisa’” disparou ele.

Carol (Melissa McBride) em The Walking Dead
Carol (Melissa McBride) em The Walking Dead (Divulgação)

Scott explicou que isso aconteceria na terceira temporada, mais exatamente no episódio em que a prisão é cercada por um grupo de zumbis, e T-Dog (IronE Singleton) acaba mordido por um deles na tentativa de proteger Carol. Na ocasião, Daryl acreditou que àquela altura ela já tinha morrido e se transformado em zumbi, quando chegou ao local em que ela estava e não a encontrou mais.

“Cara, eu adoraria olhar alguns dos e-mails antigos porque eles tinham escritas coisas [conversas entre os roteiristas] como ‘e se as pessoas pensassem que ela está morta, mas na verdade ela tiver sobrevivido’”, disse. “Era por isso que o show estava recebendo muito barulho naquele ponto. E parecia ainda cedo para mudar isso, mas na verdade era mais sobre ver aquela personagem passar por aquela jornada porque ela começou como tão passiva e uma vítima, e depois se tornou uma das pessoas mais fortes da história. Isso para mim como escritor era emocionante de ver”.

Comunicólogo balzaquiano, paulistano, e com experiência vasta nesse mundo virtual. Adorador de séries, filmes, quadrinhos, e tudo o que envolve a cultura pop.


SIGA-NOS E VEJA MAIS


Veja mais ›