Astro de Doutor Estranho 2 fica indignado com censura e faz discurso: “Completamente errado”

O ator expressou sua decepção em ainda ter que discutir a inclusão de comunidades vítimas de discriminação em produções de Hollywood

publicidade

Benedict Cumberbatch se pronunciou sobre a polêmica do banimento de Doutor Estranho no Multiverso da Loucura em alguns países do Golfo.

Recentemente tornou-se pública a informação de que o novo filme da Marvel não seria exibido nos cinemas da Arábia Saudita, Kuwait e Qatar.

publicidade

O motivo seria de que a personagem America Chávez, interpretada pela atriz Xochitl Gomez, é abertamente lésbica.

O perfil Doctor Strange Updates do Twitter publicou um vídeo em que Benedict comenta a questão, e demonstra desapontamento por uma atitude que, na opinião dele, não faz sentido no momento cultural e histórico que o mundo se encontra:

“Essa é uma decepção esperada. Nós já conhecemos esses regimes repressivos e que a falta de tolerância deles é excludente com pessoas que merecem ser não somente incluídas, mas celebrada por quem elas são e ser feitas parte de sociedade e uma cultura que não pune eles por sua sexualidade. Parece algo completamente errado com tudo o que a gente já vivenciou como espécie, ainda mais globalmente como uma cultura.”

O ator também explicou como, ao contrário do que algumas pessoas criticam, a inclusão de America no filme não é o chamado ‘tokenismo’, que significa colocar um membro de uma minoria em produções de Hollywood apenas para demonstrar diversidade.

publicidade
Xochitl Gomez como America Chavez em Doutor Estranho 2 (Reprodução / Marvel)
Xochitl Gomez como America Chavez em Doutor Estranho 2 (Reprodução / Marvel)

Como ele relembrou, a personagem já é exatamente assim nos quadrinhos, de onde foi retirada. America não era uma invenção da Marvel para que o elenco fosse mais ‘diverso’, compartilhou:

publicidade

“Nós incluímos ela por como ela é sensacional como personagem. E esse é apenas um aspecto dela e é só isso que deveria ser, mas infelizmente, também é agora, politicamente, algo com muito peso. E eu gostaria que não fosse.”

“Teremos que lutar”

Benedict também expressou sua esperança de que um dia discussões assim não serão necessárias porque o mundo será mais tolerante. Apesar disso, ele admitiu que sabe que ainda tem muito chão pela frente, e fica feliz de aos poucos o cinema estar dando a importância devida para o assunto:

“Eu gostaria que a gente pudesse ter uma conversa normal sobre isso onde isso não fosse um problema, mas a gente não pode. Então nós ainda teremos que lutar. Nós ainda temos que pressionar por inclusão e igualdade e eu estou bem feliz que de uma maneira pequena, mas em um panorama bem grande, a Marvel e a Disney estão fazendo isso.”

publicidade

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura estreia no dia 5 de maio nos cinemas.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›