Ator revela porque topou participar de Sandman

publicidade

John Cameron Mitchell revelou qual foi o principal motivo que o fez aceitar o papel em Sandman, nova série da Netflix inspirada nos icônicos quadrinhos de Neil Gaiman.

O ator de 58 anos é famoso por ter interpretado Hedwig no musical Hedwig and the Angry Inch e recentemente também viveu Joe Exotic em Joe vs. Carole.

publicidade

John é um grande ativista LGBTQIA+ e sempre deixou bem claro que ele quer ajudar a comunidade queer a garantir a visibilidade que merece no mercado cinematográfico mainstream.

Em entrevista para o Collider, ele admitiu que ele aceitou o papel porque ele vai ter a chance de cantar algumas músicas do clássico musical da Broadway Gypsy, que já foi adaptado para os cinemas nos anos 1960 sob o título Em Busca de Um Sonho.

Além disso, John também confessou que, apesar de um papel pequeno, ele aceitou fazê-lo e se divertiu bastante com ele. Agora, ele quer fazer Mama Rose nos palcos, disse:

“Sandman é um pequeno papel de um elenco de milhares. O motivo pelo qual eu resolvi aceitar foi porque a personagem vai cantar músicas de Gypsy. Eu posso fazer a minha própria Mama Rose, três músicas do espetáculo, e agora eu quero fazer aquilo nos palcos.”

publicidade
John Cameron Mitchell em Hedwig and the Angry Inch (Reprodução)
John Cameron Mitchell em Hedwig and the Angry Inch (Reprodução)

“Pessoas são positivas e negativas”, diz ator

O ator também faz uma leve crítica às escalações de Hollywood, que sempre delegam as pessoas queer e negras para papéis estereotipados, e que ele gostaria de ver uma evolução na indústria a respeito disso. Segundo ele, as pessoas podem ser mais de uma coisa na realidade e que isso deveria ser melhor retratado no cinema e na tevê:

publicidade

“Eu sou mais um papel de serviço nisso, que é o papel normal para o ator gay e o papel gay. Ele normalmente é o melhor amigo, ou o melhor amigo que dá as respostinhas inteligentes. A mulher negra e o homem gay sempre ganham um monte de papéis assim, como a pessoa confiante, que dá as respostas, que foi algo com que eu já paguei as minhas contas, mas chega uma hora que começa a cansar e ficar bem irritante. Com algumas das minhas personagens anteriores, elas eram personagens queer que estavam no centro das produções, com os defeitos e tudo mais. Elas não precisam ser apenas imagens positivas sempre, porque toda pessoa é positiva e negativa, e é muito chato fazer o papel de alguém que é uma coisa só. Todos nós temos camadas. Pessoas à margem e pessoas queer sabem que a vida é feita de camadas e nuances. É só quando você está no comando que você pensa nas coisas como elas são. […] Se você esteve por baixo, você sabe que existem várias camadas na vida, e isso pode ser uma vantagem, enquanto artista.”

Por enquanto, ainda não há informações oficiais sobre a data de estreia de Sandman, mas estima-se que ela chegue na Netflix em algum momento ainda este ano.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›