Coreia do Norte usa Round 6 para “provar” que Coreia do Sul é um horror

The Front Man (Lee Byung-hun) em Round 6 (Reprodução / Netflix)
The Front Man (Lee Byung-hun) em Round 6 (Reprodução / Netflix)

O burburinho sobre Round 6 atingiu o radar da ditadura socialista repressiva da Coréia do Norte, que criticou o sucesso da Netflix como prova de que a cultura capitalista da Coréia do Sul é um fracasso “bestial”.

De acordo com site Variety, o site de propaganda norte-coreano Arirang Meari, em uma reportagem sobre Round 6, criticou o drama de sobrevivência como retratando a “triste realidade de uma sociedade sul-coreana bestial”.

O artigo do site foi compartilhado no dia 12 outubro, e foi relatado pela primeira vez pela Reuters. Onde está escrito:

“Round 6 ganhou popularidade porque expõe a realidade da cultura capitalista sul-coreana”.

O programa revela “um mundo onde só o dinheiro importa – um horror infernal” e onde “a corrupção e os canalhas imorais são comuns”. O artigo de Arirang Meari acrescenta:

“É a atual sociedade sul-coreana, onde o número de perdedores em uma competição acirrada como empregos, imóveis e ações aumenta dramaticamente”.

Ainda de acordo com a Variety, a Netflix foi solicitada para falar sobre o assunto, mas não houve resposta.

Segundo a Netflix, Round 6 é sua série original mais popular. O serviço de streaming disse que drama sul-coreano foi visto por 111 milhões de assinantes nos 25 dias desde sua estreia em 17 de setembro, superando os números da primeira temporada de Bridgerton em suas primeiras quatro semanas de lançamento.

Vale ressaltar, no entanto, que a métrica usada pela Netflix mede qualquer conta que transmita um título por pelo menos 2 minutos.

Em Round 6, 456 competidores desesperadamente atingidos por dívidas competem em uma competição mortal de origem misteriosa, colocando-os uns contra os outros em uma série de jogos infantis coreanos pela chance de ganhar um prêmio em dinheiro de 45,6 bilhões de won.

Um arco de história que pode ter enfurecido particularmente o regime da Coreia do Norte envolve um dos jogadores do que é um desertor norte-coreano: Kang Sae-byeok (Jung Ho-yeon) que entrou no torneio para ganhar dinheiro, então ela pode tirar seu irmão mais novo de um orfanato e resgatar sua mãe, que foi detida na China depois de fugir da Coreia do Norte.

O criador e diretor de Round 6, Hwang Dong-hyuk, disse que pretendia que a série destacasse a crescente lacuna de riqueza no mundo moderno. Ele disse anteriormente para a Variety:

“Eu queria escrever uma história que fosse uma alegoria ou fábula sobre a sociedade capitalista moderna, algo que retratasse uma competição extrema, algo como a competição extrema da vida”.

Ainda não se sabe se Round 6 terá segunda temporada.

Veja mais ›