Pachinko é realmente baseada em uma história real? Entenda

publicidade

 Pachinko é uma série da Apple TV+ que conta a história de uma família coreana que se mudou para o Japão no início do século 20, porém, não é baseada em uma história real.

Apesar de se tratar de uma obra fictícia, a série segue o mesmo modelo de outros dramas históricos, como Vikingsi e Downton Abbey, ou seja, se baseia nas vidas e experiências reais de pessoas que existiram de verdade em seus diferentes períodos de tempo.

publicidade
Pachinko (Divulgação Apple TV+)

Do que trata a trama?

A série mostra a vida de uma moça chamada Sunja e sua família que vivem vidas relativamente confortáveis para cidadãos de segunda classe na Coreia dos anos 1920, ocupada pelos japoneses.

Décadas depois, essa mesma família faz parte de um grupo de milhares de coreanos que migraram para o Japão e acabaram ficando milionários nos anos 1980 ao administrarem salões de pachinko, um tipo de jogo japonês que se tornou altamente popular em Tóquio.

Essas linhas do tempo justapostas contam a história multigeracional não apenas da família de Sunja, mas também de muitas outras famílias coreanas que vivem no Japão após a guerra.

publicidade

De muitas maneiras, as experiências coletivas de Sunja e sua família são uma pequena representação da diáspora coreana e um resumo das vidas e lutas de três gerações diferentes de coreanos.

A série, obviamente, não é uma grande novidade na recente onda de adaptações de livros populares, nem mesmo em seu conteúdo histórico.

publicidade
Solomon (Jin Ha) em Pachinko (Reprodução)

Entretanto, ela possui o mérito de abordar uma parte da história asiática de forma raramente feita no Ocidente: a vida dos coreanos Zainichi, termo coletivo utilizado para designar os coreanos que foram para o Japão antes de 1945.

Ao longo do século XX, esses coreanos enfrentaram muita discriminação no Japão e, por isso, se limitaram a envolver-se em negócios considerados ‘sujos e humilhantes’.

publicidade

Foi assim que os coreanos passaram a possuir cerca de 80% de todos os negócios de pachinko no Japão, uma indústria de jogos de azar legalizada que, hoje, vale cerca de 162 bilhões de dólares.

O romance original, Pachinko, lançado em 2017, foi escrito pela autora e jornalista coreana-americana Min Jin Lee.

Embora ela não seja uma coreana Zainichi, suas experiências como imigrante que se mudou da Coreia do Sul para os EUA quando ainda era criança são refletidas tanto no romance quanto na série que ele originou.

O que você achou? Siga @siteepipoca no Instagram para ver mais e deixar seu comentário clicando aqui.

Veja mais ›